Da fada madrinha

A fada madrinha é, aqui, um conceito. É o personagem que vai provocar a transformação da mocinha. Muitas vezes (na maioria dos que eu me lembro), a fada e um homem. Gustavo Aldama e Fernando de La Vega (o fofíssimo tio Loro) são exemplos clássicos, mas incluiria nesse grupo os imortais Paola Bracho e Juan Del Diablo. Explico.

Paola transformou a capiau sem graça da Paulina em uma mulher fina a ponto de se passar pela própria Paola e então, no mundo dos Bracho, encontrar suas qualidades, salvando a vovó Piedade do vício da manguaça, tirando a Cerâmica Bracho da falência, salvando o casamento da Stephane e do Willy… Enfim, Paola foi o grande catalisador da mudança de Paulina.

E a maior fada madrinha de todas (e a que eu queria para mim mesma) é Juan Del Diablo, de uma das cinco melhores novelas mexicanas de todos os tempos, Coração Selvagem. A Mônica era uma bocaberta (com a nova ortografia é assim?) sem graça, desiludida por ter sido trocada pela irmã gostosa e ter perdido o suposto amor da sua vida (o retardado do Andrés). Chega até a virar noviça! Eis que surge Juan… Ah… Não preciso nem comentar, né?

Anúncios

Sobre ociolivre

A prática do ócio livre era o ideal de vários filósofos antigos. Onde nossas reflexões nos levarão?
Esse post foi publicado em Televisão, Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s